x

Newsletter

Receba conteúdo semanal do L&N

  • Mídias:
Daidoji Yuzan

Bushido

  • Recursos:

O livro do samurai e estrategista Daidoji Yuzan “Bushido” (Hunter Books; 160 páginas; Tradução de Dimas da Cruz Oliveira; 20 reais) tem como objetivo guiar a classe guerreira nos dilemas sociais e políticos da era Tokugawa. A guia mestra de Yuzan nesta obra é o bushido: um código de conduta que expressa claramente qual deve ser a postura moral do guerreiro.

A obra Budo Shoshinshu tem como centro o código moral bushido. Este determina como um guerreiro deve viver e morrer. Sua conduta deve ser impecável e suas obras dignas de admiração. O samurai deve viver em busca da excelência. Cada gesto, movimento ou obra tem como intenção alcançar a maestria. O bushido foi concebido por volta do século IX e foi fundamental para coesão social da classe guerreira japonesa. No século XVII ele foi incorporado ao direito feudal japonês. O “caminho do guerreiro” ou bushido, expressa qual deve ser a postura do samurai diante dos dilemas e desafios da vida. Sua estrutura é marcada por 7 virtudes: GI (justiça e moralidade); YUU (coragem e bravura heróica); JIN (compaixão e benevolência); REI (polidez e cortesia); MAKOTO (sinceridade e verdade); MEIYO (honra e glória); CHUU (dever e lealdade). Em quaisquer circunstâncias o guerreiro deve tomar decisões e agir em concordância com o código bushido e suas virtudes.

A história do Japão está profundamente ligada à imagem do samurai, uma vez que a classe guerreira marcou a estrutura política e social do país. Embora existisse o imperador, o poder estava nas mãos do shogun, um líder militar que controlava as forças armadas do país. Durante três famosos shogunatos, o Japão foi dirigido pela classe guerreira, fundamental para segurança e estrutura da nação. A obra de Yuzan foi escrita no último shogunato: Tokugawa. Esse período trazia novos dilemas para a classe guerreira que passava por uma fase de declínio. Com a crescente classe comercial e estabilidade política do império, o líder militar passou ser uma figura menos importante; Yuzan diz que milhares de samurais deixaram de ter um senhor e passaram ser ronins (aquele que não possui um mestre).

Essa mudança violenta na estrutura política do país exigia uma nova conduta de vida e uma reconfiguração da filosofia da classe guerreira. Um grupo treinado para combater, vivia agora em um período de paz e estabilidade econômica. Daidoji repensa o caminho do guerreiro e dá as diretrizes para uma vida reta e coerente com os novos desafios do Japão. A classe guerreira sempre foi treinada para ser símbolo de ordem e maestria. Mesmo em períodos de paz, afirmava Daidoji que o samurai deve ser o indivíduo que domina as artes marciais, poesia e caligrafia. A postura, rigidez, comprometimento, lealdade, obsessão com detalhes e a busca incessante por maestria devem ser o fio condutor da vida do guerreiro. Profundamente conectado com o confucionismo e budismo, o autor ressignifica o papel do samurai e seu impacto na sociedade.

Top 5 Aprendizados

  1. Postura e conduta firme.
  2. Pensar sobre a morte.
  3. Qualidade e capricho em cada detalhe.
  4. Clareza mental e foco.
  5. Busca incessante pela maestria.
Reproduzir

podcast

Bushido
Daidoji Yuzan
Livros & Negócios 2018