Agora o meu livro "Pensamento estratégico é um lifestyle" está disponível em audiobook, clique aqui para conhecer.
x

Newsletter

Receba o conteúdo mensal :D

  • Mídias:
Adam Grant

Dar e Receber

  • Recursos:
Comprando o livro pelo meu link você colabora com esse projeto :D Amazon

Dar e receber - Adam Grant

Em “Dar e Receber” Adam Grant discute sobre sucesso, relações e vida profissional. Através de uma abordagem mais pessoal e positiva, o autor argumenta as vantagens de ser um doador e como essa escolha reflete em nossas vidas. O autor apresenta várias histórias de grandes personagens doadores, e quão bem sucedidos eles foram. O doar não está relacionado diretamente com dinheiro. Quem doa pode fazer através do seu tempo, conhecimento ou qualquer outra forma que agregue valor a alguém.

O autor apresenta 3 possíveis perfis que definem nosso estilo de ser. O tomador, compensador e o doador. O tomador é aquele indivíduo que não se doa, ele toma para si o máximo possível, não pensa no grupo e enxerga a vida como um jogo de soma zero. Para eu ganhar, alguém vai ter que perder. Essa forma egoísta de encarar a realidade pode levar o indivíduo a muitos ganhos, mas acredita o autor que esse estilo de ser não é sustentável em longo prazo. Pessoas centradas em si que não compartilham com o grupo acabam sendo excluídas. Mesmo quando têm poder, são alvo dos outros, não contam integralmente com seu grupo e com os anos estagnam.

O compensador equilibra as coisas, busca doar na medida que toma. Os compensadores fazem muitos favores, doam dinheiro, seu tempo e conhecimentos, mas não deixam isso passar em branco. Ele ajuda estrategicamente, ajuda quando é possível cobrar esse favor no futuro ou usar isso como vantagem. Não é um total egoísta, mas procura seus interesses sempre que pode. Entre tomador e compensador, seria melhor ser um compensador, pois ele retribui favores e agrega valor à comunidade.

O doador também busca seus interesses, contudo, ele se doa mais do que recebe. São pessoas disponíveis, aquelas que podemos contar sempre que temos uma dúvida ou um grande problema pra resolver. Não fazem tudo com segundas intenções ou como artifício para cobrar favores no futuro. Promove pessoas, indica colegas e gera situações onde todos podem ganhar. O doador é o indivíduo disponível, empenhado em fazer a diferença e tratar as pessoas com mais cuidado.

A ideia de doador chega ser radical para alguns contextos. Nos parece que esse perfil é o menos produtivo ou bem sucedido em negócios. Todavia, o autor apresenta com estudos de caso e histórias, personagens históricos ou mesmo nomes atuais, que se tornaram bem sucedidos a partir de uma abordagem mais humana e pessoal em suas relações. No curto prazo, ser um doador nem sempre parece dar resultados. Se doa mais do que recebe, dedica muito tempo as pessoas e algumas vezes menos tempo a si mesmo. Mas por que dá frutos? Pessoas lembram quando foram bem tratadas e beneficiadas por outras. Como mostra Robert Cialdini em Armas da Persuasão, tendemos a retribuir favores, a reciprocidade é uma característica de grupo. Sempre que recebemos algo, ficamos com uma sensação de dívida com o outro, criamos um laço emocional e moral com o outro. Imagine isso em escala, anos de uma vida voltada ao doar e receber. Essa abordagem traz muitos frutos, abre muitas portas e potencializa a vida de quem doa e de quem recebe. Quanto mais nos tornamos disponíveis e agregamos valores a vida do outro, mais aliados conquistamos, mais nossa rede se amplia e mais oportunidade chegam a nós.

Top 5 Aprendizados

  1. Doar cria laços para o longo prazo.
    Quando a gente doa, nos conectamos com o outro. Esse laço dura anos ou até mesmo uma vida toda. Tendemos retribuir favores, mesmo quando não são cobrados. Esses laços geram situações e oportunidades únicas.
  2. Dar mais do que receber ( cria conexões ).
    Ao invés de receber mais, se doa mais. E não precisa ser dinheiro. Pode ser sua atenção, conhecimento, criatividade e tempo. Essa atitude agrega valor à sociedade e potencializa a vida de todos.
  3. Ser um doador não significa ser capacho, bobo ou manipulado.
    Temos que ficar atento a essa diferença. Ser doador não significa ser idiota, alguém que é passado pra trás. O doador sabe o que está fazendo e tem suas justificativas pessoais. Pode doar mais ou parar quando bem entender. Não é o bom moço a custa de tudo. O doador potencializa pessoas ou situações que realmente precisam. E se for necessário ele para e se dedica a outro.
  4. Líderes que se doam, constroem times mais unidos.
    Líderes disponíveis criam unidades mais sólidas e integradas. Sabemos que times que se dão bem e tem uma forte ligação com seus líderes, são os que mais crescem e atingem resultados. O líder que se doa, se conecta com o grupo.
  5. Doar tende nos trazer felicidade, senso de propósito.
    Comprovado em vários estudos, doar nos faz feliz. Alguns estudos mostram que dar presentes traz mais felicidades do que comprar algo para nós mesmos. Esse fato nos ajuda ver como somos conectados e como o outro importa para nós. Independente de doar para ser mais feliz ou fazer o outro feliz, estamos contribuindo, criando laços e gerando valor.
Reproduzir

podcast

Dar e Receber
Adam Grant
  • João Gustavo Vieira

    doar é uma pratica expontanea que venho fazendo já algum tempo na minha vida e tem sido prazeroso.

    • É uma excelente escolha João!
      Desculpe a demora na resposta.

Lucas Conchetto - 2018