x

Newsletter

Receba conteúdo semanal do L&N

  • Mídias:
Gil Giardelli

Você é o que você compartilha

  • Recursos:

headerpost66

O livro do professor Gil Giardelli “Você é o que você compartilha” (Editora Gente; 168 páginas; 29 reais) discute sobre o digital, seus desafios e impacto em nossa sociedade. Vivemos um período de mudanças profundas, não somente no Brasil, mas no mundo todo. As pessoas estão mais conectadas umas às outras, têm maior consciência e conhecimento dos fatos do mundo e lutam cada vez mais de forma organizada.

Gil Giardelli é profundamente otimista em relação à internet e apresenta argumentos fortes para tal. A internet tem impactado positivamente todo o mundo e gerado mudanças profundas na democracia e nas agendas sociais. Através da internet o indivíduo percebeu que tem voz, que pode unir-se a outros e exigir mudanças, seja do estado ou das empresas. Empresas têm sido punidas e boicotadas pelo público sempre que alguma informação contundente é investigada e exposta na internet. A Zara sofreu muitas críticas e boicote do público através do ativismo digital. A Arezzo igualmente, com uma coleção pronta que explorava peças com peles de animais, muitos deles em extinção, fez o público agir com força e a marca recolheu todas as peças, assumindo prejuízos gigantescos. O mundo de fato mudou. Não somos mais coordenados pela grande mídia, a opinião dos grandes veículos já não refletem como antes no público e o marketing deixou de ser passivo, e exige agora interatividade e voz ativa do consumidor.

No mundo digital compartilhamos cada vez mais e por vários motivos. A internet passou ser uma arena de debates, uma passarela, uma vitrine e um acervo gigantesco de tudo possível e imaginável. Compartilhamos para expressar um sentimento; uma crença; a fé em um ideal; para parecer descolados e ligados no mundo; ser notados e influenciar. Novas e velhas gerações estão online expressando ideias, compartilhando momentos e reforçando sua identidade. O contexto do digital mudou a forma de criar no mundo, some o gênio solitário e nascem os projetos colaborativos, onde equipes descentralizadas, espalhadas pelo mundo criam e dão manutenção em blogs, fóruns, portais e em plataformas do conhecimento como Wikipédia, Quora, etc. Projetos que não nasciam por falta de investidores e financiamento ganham o mundo e palavras novas como crowdfunding, crowdsourcing são cunhadas. Pessoas se reúnem para investir em projetos, pessoas se reúnem para investir seu tempo e conhecimento para desenvolver inovações e o mundo tem se tornado mais social.

Os negócios não são mais como antes, hoje o consumidor exige postura da marca, compromisso social, resposta rápida pelas mídias sociais e um toque todo humano. Se algo deu errado o consumidor reclama, senão é ouvido grava um vídeo, junta amigos, espalha pelos quatro ventos sua dor. As pessoas compram menos produtos novos e serviços que atendem as mais diversas demandas nascem. Hoje se compra usado, doa, troca, cria e recicla. O mundo mudou e as empresas estão sendo devoradas em alta velocidade, quem não se adapta morre, essa sempre foi uma verdade, mas agora ela está acelerada.

O autor é otimista e desenha um futuro interessante através da tecnologia e da integração das pessoas. A abertura e democratização mais madura cria um ambiente onde as pessoas pensam o social como meta. O autor clama por novas lideranças e chama as pessoas para um novo pensamento: “precisamos de sonhadores, utópicos, semeadores do bem, que pensem e sintam”. O mundo mudou e agora precisamos descobrir o que fazer para transformar a vida e nossos espaços em lugares mais equilibrados, justos, onde possamos viver a vida nas suas potencialidades e ser feliz.

Top 5 Aprendizados

  1. Compartilhamos e assim definimos nossa identidade.
    Nos dias de hoje passamos muito tempo online e através das plataformas digitais nos expressamos, aprendemos e assim vamos construindo nossa identidade.
  2.  A internet dá voz e espaço para indivíduos que não conseguiriam destaque de outra forma.
    A internet é muito aberta e por isso permite uma fácil entrada para novos indivíduos. Diferentemente das mídias tradicionais que exigem diversos parâmetros, na internet você precisa ser interessante e atrair atenção, não importa sua classe social, beleza, ou outros atributos.
  3. A internet criou a maior revolução da informação até então.
    Embora a invenção da escrita, depois a prensa de Gutenberg e a imprensa moderna, a internet permitiu escala, onde indivíduos com poucos conhecimentos técnicos pudessem publicar suas ideias, documentos e informações. Tudo isso acontece em uma super velocidade e a um custo cada vez mais baixo.
  4. O digital aflorou nosso desejo por participar de algo.
    O digital por nos colocar em contato com as outras pessoas o tempo todo, fez manifestar em nós um desejo ainda maior de fazer parte de algo, de um movimento, de um grupo e participar ativamente.
  5. Desconecte-se para aprender conectar-se.
    Vivemos muito conectados, sentados por horas, grudados às telas e nossa sensibilidade e tudo que nos faz humano está sendo diminuído, nublado pelo uso constante de aparelhos. É preciso buscar algum tipo de equilíbrio para viver o online e o offline.
Reproduzir

podcast

Você é o que você compartilha
Gil Giardelli
Livros & Negócios 2018 por MINIMAL